Livro: A Última Carta de Amor, de Jojo Moyes

, ,

A Última Carta de Amor (Jojo Moyes)

Comprei este livro em uma promoção na Bienal de 2012, meio que por impulso, imaginando uma dessas histórias de amor bem melosas, do tipo que gosto de ter na estante para aqueles momentos em que quero ler, mas não estou para nada que exija muito dos neurônios.

A Última Carta de Amor conta o drama de Jennifer Stirling, uma mulher da alta sociedade em meados do ano de 1960 que acorda em um hospital sofrendo de grave perda de memória depois de um acidente de carro. Fisicamente recuperada, ela volta para casa com o marido, mas por mais que tente se adequar e retomar sua vida, sente que alguma coisa está faltando, até que descobre entre suas coisas uma série de cartas de amor assinadas por “B” e se dá conta de que estava tendo um romance fora do casamento e, mais do que isso, parecia disposta a arriscar tudo para vivê-lo.

A trama se desenrola no decorrer dos anos, alternando desde períodos pré e pós o acidente de Jennifer até uma nova época, quatro década depois, quando a jornalista Ellie encontra uma dessas cartas de amor e, obcecada por reconstruir a história, procura saber que fim levaram os (des)afortunados amantes.

Bem, sim, é uma história “dessas bem melosas”, com direito a muitos infortúnios, encontros e desencontros, belas palavras de amor – ainda que o “vai fazer você chorar” estampado na capa me pareça um exagero. Praticamente tudo o que eu esperava, mas ainda me surpreendi com alguns aspectos.

Admito que antes de começar a leitura eu já tinha um pré-julgamento, imaginava que esta seria mais uma dessas autoras que aposta tudo em uma trama bem açucarada deixando de lado as preocupações com a escrita ou o desenvolvimento das personagens. E é justamente aí que me enganei.

O argumento não é de todo inédito e tem lá seus momentos clichés, mas é bem amarrado, consegue prender a atenção. O texto é caprichado, paira sobre uma mescla de tragédia e humor que funciona surpreendentemente bem. As idas e vindas da narrativa parecem um pouco confusas a princípio – em vários momentos precisei retornar alguns parágrafos para me situar – mas ao final, quando tive a visão do todo, percebi que sim, eu entrei na história.

Talvez eu devesse “aprender” a não ficar fazendo pré-julgamentos dos livros antes da leitura, mas se for para ter boas surpresas como esta até que vale a pena, não?

Última Carta de Amor, A

Moyes, Jojo

Capa: A Última Carta de Amor

  • Editora: Intrínseca
  • Categorias: Literatura Estrangeira, Romance
  • Título Original em inglês: The Last Letter From Your Lover
  • Site do autor: http://www.jojomoyes.com
  • Avaliação: ★★★★☆

Palavras Garimpadas #18

Quando acordei, chovia. Não sei o que se passou durante meu sono, mas alguma coisa havia mudado em mim. Tudo me parecia delicado, até mesmo o barulho da chuva me parecia musical. Tive vontade de cantar um canto de carpideiras, um canto muito antigo que surgia em minha memória, ocupava minha cabeça e vinha aos lábios.

O Complexo de Di – Dai Sijie

101 Coisas: [✔] 86. Reorganizar meus feeds

, ,

Feedly

Aproveitei que ainda estava me sentindo inspirada depois de reorganizar os contatos no Facebook para fazer o mesmo com os feeds dos blogs/sites que acompanho.

A bagunça nesse “setor” nunca chegou a me incomodar taaanto, de um jeito ou de outro minhas leituras estão sempre atrasadas, mas vamos combinar, estar com tudo bonitinho em seu lugar é muito mais gostoso, não é? Sem contar que há muito eu precisava fazer uma limpeza, verificar o que eu realmente quero continuar acompanhando e cancelar aqueles que não são mais atualizados há muito tempo.

Minhas inscrições estavam bagunçadas desde a época da morte do Google Reader, faço parte daquela turma que manteve, até o derradeiríssimo momento, a esperança de que ele sobrevivesse e quando isso não aconteceu acabei fazendo a exportação dos feeds na última hora, de qualquer maneira, para o primeiro “serviço alternativo” que apareceu na minha frente, o Feedly.

O negócio é que devo ter feito alguma coisa errada porque toda minha organização por lá se perdeu no processo. As inscrições que eu mantinha separadas por categorias acabaram todas misturadas, alguns blogs simplesmente sumiram, outros, que eu nunca tinha ouvido falar e tenho certeza de que não assinei, apareceram do nada, o maior fuzuê.

Não preciso acrescentar que a tarefa vinha sendo procrastinada desde então e só agora tomei coragem para encarar, preciso?

A dinâmica aqui é muito parecida com a dos contatos, gosto de manter os feeds separados por assunto e também tenho aqui uma lista “purgatório” onde ficam aqueles que não são atualizados há muito tempo (só cancelo efetivamente a inscrição quando o blog declara oficialmente o encerramento ou não é atualizado há mais de um ano) e aqueles recém-assinados, que eu ainda não decidi se quero mesmo acompanhar.

Tarefa concluída e mais um item da minha lista de 101 coisas riscado. A sensação é tão boa e me deixou tão otimista que estou até com esperanças de colocar a leitura em dia. =P

101 Coisas: [✔] 87. Reorganizar meus contatos no Facebook

, ,

Facebook

Há muito eu queria dar uma geral na minha conta pessoal do Facebook, verificar tudo mesmo, grupos, likes, apps, mas principalmente os contatos.

Já me perguntaram que diabos tanto tenho para organizar nos contatos do Facebook quando para a maioria uma simples “limpeza” periódica já basta e a resposta é bem simples (embora a tarefa, nem tanto): eu costumo usar o recurso das listas para manter os contatos organizados. Uso listas para grupos específicos (como família e parentes, colegas de trabalho, colegas de estudos), para aqueles com quem tenho interesses em comum (fotografia, livros, blogs entre outros), para gerenciar/limitar o acesso às minhas fotos e publicações, e para selecionar as atualizações que vejo na minha timeline.

Acredite-me, se estiver tudo bem organizadinho as tais listas são uma baita mão na roda.

O negócio é que de uns 2 anos para cá a coisa toda andava meio muito bagunçada e, como a boa procrastinadora que sou, ainda não tinha tido coragem de encarar uma varrida daquelas. E este é um dos motivos pelo qual gosto tanto desse projeto das 101 coisas, para mim serve como um baita de um incentivo para dar cabo dessas tarefinhas que vivo adiando, finalmente criei coragem para revisar um por um todos os perfis daqueles que eu tinha adicionados lá. Não é uma lista tããão longa, mas olha… deu trabalho! E apesar disso valeu a pena, a sensação de ter tudo em seu lugar é muito boa, sem contar o alívio de “limpar” da minha timeline aqueles contatos que não me acrescentam nada e com quem nunca troquei uma única palavra.

Riscado o primeiro item da minha lista de 101 coisas!

Links interessantes #75

,

Literatura

Receitas

Curti

Posts que gostei de ter lido nos blogs pessoais que acompanho:

Outros