Projetos Pessoais

52 Objetos – #3: fones de ouvido

52 Objetos - #3: fones de ouvido

  • O quê: fones de ouvido
  • Onde: quando não estou usando fica guardado na minha bolsa
  • Origem: o que estou usando atualmente eu mesma comprei, mas já não me lembro exatamente onde, nem mesmo quando

Não vivo sem. Seja para ouvir música ou, desde mais recentemente, um audiolivro, há muitas ocasiões em que os fones de ouvido são simplesmente “meu melhor amigo”.

Você poderá me ver com fones de ouvido:

  • Executando alguma tarefa de casa – fazendo a limpeza, lavando louça, passando roupas – ou me dedicando a alguma outra atividade manual – artesanato, desenho e pintura, manicure, etc.
  • Viajando como passageira, pode ser de carro, de ônibus, de avião.
  • Trabalhando. Sim, fico com os fones no ouvido o tempo todo no trabalho, não consigo me concentrar com o barulho do ambiente (ruídos em geral e principalmente conversas alheias) mas consigo fazê-lo me isolando em meu mundinho musical (ou com um audiolivro se o serviço que estiver executando for algo que não exija muito raciocínio).
  • Quando quero simplesmente me isolar e ignorar as pessoas e o furdúncio ao meu redor.

A verdade é que não sou uma pessoa muito sociável – nem faço questão – e muitas vezes os fones de ouvido me ajudam a permanecer exatamente no lugar onde prefiro estar.

» Este post faz parte do Projeto 52 Objetos que consiste em postar, uma vez por semana, durante um ano, objetos que sejam significativos para mim e digam um pouco sobre a minha pessoa. Para saber mais espia aqui e para ver os objetos já publicados aqui.

Links Interessantes

Links interessantes #81

Livros e Literatura

Estilo de Vida

Fotografia

Livros

Livro: Um Planeta Chamado Traição, de Orson Scott Card

Um Planeta Chamado Traição (Orson Scott Card)

Três mil anos se passaram desde que os rebeldes foram condenados ao exílio por seus crimes contra a República e enviados a Traição – um planeta isolado, sem reservas de metais duros – e as Famílias de seus descendentes ainda estão submetidas a seus carcereiros com quem são obrigados a negociar suas habilidades específicas – relacionadas à Física, Genética, Geologia, Teologia, entre muitos outros – em troca do ferro, o precioso metal com o qual poderiam construir uma nave para, enfim, deixar o planeta.

Lanik Mueller é o herdeiro de uma das família mais ricas de Traição. O primeiro Mueller foi um geneticista especializado em pesquisas regenerativas e o refinamento desta habilidade é o que permite a negociação por ferro: os integrantes da família estão acostumados com a regeneração quase instantânea e o crescimento ocasional de um apêndice ou órgão extra no corpo, o excesso é simplesmente removido cirurgicamente e comercializado.

Ao mesmo tempo em que uma guerra de grandes proporções pelo poder ameaça a costumeira organização do planeta, um desastre pessoal obriga Lanik a deixar sua posição de herdeiro e partir em uma jornada que o levará aos mais diversos lugares de Traição. Uma viagem que o ajudará a conhecer e assimilar alguns dos dons especiais de outras Famílias no planeta, assim como a ver o mundo de novas maneiras e a compreender melhor o ambiente em que está inserido.

Um dos livros mais criativos que li nos últimos tempos! Orson Scott Card (que também é autor da série Ender’s Game que originou o filme O Jogo do Exterminador, lançado em 2013) conseguiu, a partir de uma ideia bastante simples, desenvolver uma narrativa competente, uma ficção científica que em determinados pontos pende para a fantasia na medida em que a extrapolação da realidade realmente desafia a imaginação, mas que consegue ser extraordinária mantendo um tom crível e convincente.

Interessante observar a maneira como o autor desenvolveu as habilidades de cada Família, bem como as questões filosóficas pertinentes à peregrinação de Lanik e as teorias acerca do desenvolvimento de uma sociedade obrigada a retomar hábitos e costumes análogos a uma época medieval. Temos bastante material para debates e discussões em um livro de poucas páginas e muitas ideias.

É um livro rápido, a linguagem simples e imaginativa faz com que a leitura seja bastante fluida. Uma boa pedida, mesmo para aqueles que não são muito familiarizados com o gênero, mas é bom deixar avisado que o grau de violência e o teor meio grotesco de algumas passagens pode incomodar os leitores mais sensíveis.

Planeta Chamado Traição, Um

Card, Orson Scott

Capa: Um Planeta Chamado Traição

  • Editora: Record
  • Categorias: Literatura Estrangeira, Ficção Científica
  • Título Original em inglês: Treason
  • Site do autor: http://www.hatrack.com/
  • Avaliação: ★★★★★
Viagens e Passeios

Passeio na Serra Catarinense

Belas paisagens, estradas dignas de rally, trilhas, cachoeiras, vistas de tirar o fôlego. Peguei uma semana das férias que eu ainda tinha pendentes no trabalho e fui para Urubici, em Santa Catarina, curtir alguns dias em meio à natureza. Tudo muito, muito bom! Nada como uma viagenzinha delícia logo no início do ano para dar aquela energia!

Algumas fotos do passeio:

Cascata do Avencal

Nos arredores da Cascata do Avencal

Nos arredores da Cascata do Avencal

Vista do Mirante

Igreja Matriz

Igreja Matriz

Igreja Matriz

Nos arredores da Igreja Matriz

Vista do Morro do Campestre

Morro do Campestre

No Morro do Campestre

Na Pousada Riacho Doce

Cachoeira Véu da Noiva

Nos arredores da Cachoeira Véu da Noiva

Nos arredores da Cachoeira Véu da Noiva

Nos arredores da Cachoeira Véu da Noiva

Vista do Morro da Igreja

Pedra Furada

Serra do Corvo Branco

A última das Sete Quedas

Palavras garimpadas

Palavras Garimpadas #23

Para poder agir, com efeito, é preciso previamente atingir uma perfeita tranquilidade e não mais conservar nenhuma dúvida. Mas como alcançar essa tranquilidade de espírito? Onde poderia eu encontrar princípios fundamentais sobre os quais possa construir? Onde está minha base? Onde iria procurá-la?

Memórias do Subsolo – Fiódor Dostoiévski