Blogosfera

Liebster Award

Selo Liebster Award

Fui marcada pela Brenda do SLET para participar da TAG Liebster AwardObrigada pela indicação, flor! – e quando fui dar uma olhada nas regrinhas da vez descobri que a tag é praticamente idêntica a uma que respondi em fevereiro aqui mesmo no blog:

  • Escrever 11 fatos sobre você
  • Responder as perguntas de quem te indicou a TAG
  • Indicar de 11 a 20 blogs
  • Fazer 11 perguntas para os blogs indicados
  • Inserir o selo Liebster Award no post
  • Linkar o blog que te marcou na TAG

Pensei em simplesmente linkar a indicação do SLET naquele mesmo post, mas achei melhor fazer um post separado pelo menos para as perguntas da Brenda, afinal, essa parte muda bastante a cada indicação, não?

Vam’bora então? As perguntas que devo responder desta vez:

Quando e como você se tornou um leitor assíduo?

Meu hábito de ler, já em um ritmo voraz, vem da infância. Não lembro exatamente como começou, aprendi a ler praticamente sozinha e meus pais, creio que percebendo essa inclinação, desde cedo me incentivaram. Acabou se tornando uma dessas coisas que cresceram comigo, naturalmente, sem que eu realmente me desse conta do processo.

Quais são os seus autores preferidos?

Creio que deve acontecer com qualquer pessoa que lê muito, minha lista de autores preferidos cresce mais a cada dia, a cada nova descoberta e os que estão no topo desta lista variam um pouco de um período para outro, dependendo da minha disposição para um estilo ou outro, do meu estado de espírito, do que sinto a cada leitura e na percepção do que muda a cada releitura… Posso responder com uma listinha de top 10 escritores do momento para mim? 😛

  • J. R. R. Tolkien
  • Victor Hugo
  • Gabriel García Márquez
  • Lionel Shriver
  • John Steinbeck
  • Carlos Ruiz Zafón
  • Lygia Fagundes Telles
  • José Eduardo Agualusa
  • Tess Gerritsen
  • Juliet Marillier

Você prefere ler o livro antes de assistir à adaptação ou o contrário?

Para mim tanto faz. Mesmo. Quase sempre desperta em mim a vontade de ler o livro quando assisto ao filme e a vontade de assistir ao filme quando leio o livro. Se gostei é justamente por ter gostado, se não gostei é para saber se o filme/livro é melhor…

Quais são os seus personagens literários preferidos?

A resposta aqui seria algo parecido com que já falei na pergunta dos autores preferidos, é uma lista que varia um pouco com o passar do tempo e com novas leituras. Seguindo o mesmo modelo, vou responder com os top 10 mais queridos para mim no momento:

  • Samwise Gamgi, d’O Senhor dos Anéis por J. R. R. Tolkien
  • Jean Valjean, d’Os Miseráveis por Victor Hugo
  • Jane Eyre, de Jane Eyre por Charlotte Brontë
  • Hannibal Lecter, da série escrita por Thomas Harris
  • Morgana, d’As Brumas de Avalon por Marion Zimmer Bradley
  • Louis de Ponte du Lac, de Entrevista com o Vampiro por Anne Rice
  • Pedro Bala, d’Os Capitães da Areia por Jorge Amado
  • Major Major Major Major, de Ardil 22 por Joseph Heller
  • Huckleberry Finn, d’As Aventuras de Huckleberry Finn por Mark Twain
  • Eve Dallas, da série Mortal por J. D. Robb (Nora Roberts)

Se você pudesse viver a história de um livro, qual seria?

Embora eu saiba que o período não é muito amigável, especialmente para mulheres, eu gostaria muito de viver a história de algum livro de Juliet Marillier ambientada na Irlanda Celta Medieval. Para mim, fascínio total.

Tem alguma viagem literária que você sonha fazer? (Qualquer lugar do mundo relacionado ao mundo literário.)

Comentei em uma tag lá no Instagram que um de meus sonhos é tirar um ano sabático e passar este período fazendo turismo literário. Tenho uma lista gigante de lugares relacionados ao mundo literário que eu gostaria de visitar, desde locais onde se passam algumas das minhas histórias preferidas, até casas de escritores, museus e fundações relacionados a este mundo. Eu seria incapaz de mencionar apenas uma viagem…

Um livro que todo mundo amou e você detestou (ou o contrário)?

O Apanhador no Campo de Centeio, de J. D. Salinger. Digam o que quiserem, até reconheço os méritos de um livro que foi um dos primeiros a abordar a questão da adolescência e todos os dilemas da fase de uma maneira tão liberal, mas simplesmente não funcionou comigo. Para mim Holden é apenas um adolescente chato e superficial, não vejo o fato dele estar enfrentando uma fase difícil como uma justificativa para ele ser TÃO babaca. Li o livro umas 3 ou 4 vezes, em diferentes fases da minha vida, de tanto que as pessoas insistem, mas em nenhuma delas alcancei um mínimo de empatia ou reconhecimento.

O que você responde quando alguém fala que não gosta de ler?

Normalmente nada. Nem me dou ao trabalho de tentar estabelecer algum diálogo. Veja bem, não estou dizendo que um bate papo só vale a pena com aqueles que lêem, a pessoa pode ter muito a dizer, a questão é que muito provavelmente não vai se “encaixar” comigo, portanto nem perco meu tempo tentando.

Você tem alguma citação preferida de algum livro que leu? Qual?

Sempre marco trechos que me chamam a atenção nos livros que estou lendo e depois copio tudo no meu diário, a coleção é grande, mas não tenho uma única citação preferida.

Um livro que ainda merece uma adaptação?

Eu gostaria muito de ver algum livro de vampiros do André ViancoOs Sete, por exemplo – adaptado para uma grande produção, dessas bem hollywoodianas.

E finalmente: por que você ama ler?

Difícil explicar um amor, não é? Aqui sim, acho que posso deixar uma citação (a mesma que uso no meu perfil do Skoob) como resposta:

Livros são os mais silenciosos e constantes amigos; os mais acessíveis e sábios conselheiros; e os mais pacientes professores.

Charles Eliot

Cotidiano

Palavras Garimpadas #26

A dor é um país onde chove e chove, mas nada cresce. Os mortos vivem em outro lugar – usando as roupas com as quais nos lembramos deles.

O Amor Começa no Inverno – Simon Van Booy

Cores

Cores: Paletas inspiradas em fotos de florestas

Floresta 03

Foto: (cc) Barbara @ Flickr

Livros

Livro: Diários de Jack Kerouac, organizado por Douglas Brinkley

Diários de Jack Kerouac, organizado pelo historiador Douglas Brinkley, reúne anotações dos diários de Kerouac no período de 1947 a 1954 e retratam o que é considerado o período mais crucial de sua formação como escritor.

Já li muitos livros de ficção escritos no formato de diário, mas acabei por me dar conta de que foram poucos os diários de pessoas reais e acredito que embora se encaixem em uma estrutura em comum, o conteúdo essencial de um e de outro difere bastante.

Tal como praticamente quaisquer tipos de anotações pessoais, os diários de Kerouac revelam muito do autor – confissões, vida pessoal e amizades, seus progressos na busca pela primazia em sua escrita e sua “relação” com os principais influenciadores literários de seu trabalho, anotações para diversos textos, suas viagens -, mas também trazem muitas informações que não fazem muito sentido para um leitor “externo”, afinal quem é que realmente escreve diários da maneira como eles nos são apresentados na ficção, com uma narrativa bem estruturada, repleto de diálogos e detalhes explicadinhos em seus pormenores? Não Jack Kerouac. E neste ponto o trabalho de Douglas Brinkley é muito bem feito, especialmente na contextualização e na localização temporal.

Gostei muito de “acompanhar” Jack Kerouac durante sua luta para terminar e aperfeiçoar seu primeiro romance – The Town and the City. Não sei se consigo explicar exatamente o que senti, mas estar ciente de seus medos e de suas dificuldades, da força de sua autocrítica, me fez enxergar mais do que um escritor inalcançável ou um nome na capa de um livro, me senti próxima de um ser humano sensível e melancólico, que sonha, vai em frente e se importa, apaixonado pela escrita de uma maneira bela que quase beira a inocência.

Por fim, imagino que não faça muito sentido, mas eu ainda não li nenhum livro de Kerouac (On the Road está na minha fila). Pois é. Imagino que a experiência de leitura dos seus diários seria muito mais interessante se eu já tivesse algum conhecimento de seu trabalho, mas era o único dos meus livros que se encaixava no tema do mês para o Clube de Leitura

Diários de Jack Kerouac

Brinkley, Douglas; Kerouac, Jack

Capa: Diários de Jack Kerouac

  • Editora: L&PM, versão Kindle
  • Categorias: Diários
  • Avaliação: ★★★½☆
Projetos Pessoais

52 Objetos – #11: anel de polegar

52 Objetos - #11: anel de polegar

  • O quê: anel de polegar
  • Onde: quando não estou usando fica na gavetinha de anéis do meu organizador de bijuterias
  • Origem: comprado por mim mesma durante uma viagem à Irlanda

Gosto de bijuterias de todos os tipos. Tenho pelo menos 2 organizadores, daqueles de plástico com 3 gavetinhas cada um, abarrotados de colares, pulseiras, brincos e anéis. Não costumo usar muita coisa ao mesmo tempo, gosto apenas de ter opções para fazer combinações de 2 ou 3 peças de cada vez, adoro brincar com “estilos” diferentes.

Eu poderia dizer que de todas as peças os anéis são os meu preferidos. E dentre os anéis, aqueles que normalmente usamos no polegar.

Desde a época da minha adolescência o anel no polegar direito era praticamente uma marca registrada minha, eu me sentia semi nua se saísse de casa sem ele e já tinha até aquela marca esbranquiçada típica dos que usam aliança por muito tempo. Acabei perdendo um pouco o hábito quando tive um probleminha de saúde há alguns anos, engordei bastante, os anéis ficaram apertados e estavam atrapalhando meus movimentos, especialmente na hora de escrever. Tempos depois, quando voltei a emagrecer, o hábito não retornou com a mesma força, já não os uso o tempo todo, mas continuam sendo meus “acessórios” preferidos.

Este da foto, na verdade, não é dos mais antigos, foi comprado em 2012, durante uma viagem à Irlanda. Escolhi para representar o “grupo” no projeto porque é um dos meus preferidos, decorado com temas celtas que, por sua vez, representam outra de meus fascínios nessa vida: a cultura celta.

» Este post faz parte do Projeto 52 Objetos que consiste em postar, uma vez por semana, durante um ano, objetos que sejam significativos para mim e digam um pouco sobre a minha pessoa. Para saber mais espia aqui e para ver os objetos já publicados aqui.