Livro: O Mundo se Despedaça, de Chinua Achebe

, , , ,

Capa: O Mundo se Despedaça, de Chinua Achebe Publicado originalmente em 1958, pouco antes da independência da Nigéria, O Mundo se Despedaça é considerado um dos livros mais importantes da literatura africana e precursor da literatura moderna nigeriana.

A história se passa na época da chegada do colonizador branco à África e retrata o impacto causado pela chegada dos missionários britânicos com sua fé cristã, suas leis e costumes europeus, às tribos da região. Okonkwo, filho de um flautista desprezado por sua gente por ser considerado um fraco, vive atormentado pelo medo de se tornar como o pai e emprega todos os seus esforços em provar seu valor, no que é recompensado ao se tornar o mais bravo guerreiro e um dos homens mais influentes de seu povo, uma tribo ibo estabelecida no sudeste da Nigéria.

Okonkwo é um dos principais resistentes aos missionários, com a mesma força que busca o reconhecimento e mantém a rígida disciplina de sua família, ele luta pelas antigas tradições da Ibolândia, mas se desilude profundamente com a percepção de que muitos de seus conterrâneos – inclusive seu filho primogênito – estão, pouco a pouco, aderindo as novas crenças e costumes.

Repleta de referências históricas e com uma rica apresentação dos usos e costumes dos ibos, a escrita de Chinua Achebe transpõe para o papel a tradição fortemente oral do povo ibo, que valoriza o dom da retórica e tem os discursos e provérbios em alto conceito.

Não é um livro que eu recomendaria se você procura uma história alegre. A leitura de O Mundo se Despedaça pode ser angustiante, desconfortável, mas o tempo todo arrebatadora. É uma história para grandes reflexões e reavaliação de conceitos, onde não existe o certo e o errado ou o bom e o mau em termos absolutos, que considera diferentes ângulos de uma mesma questão e exige um leitor de mente aberta, capaz de se desvincular de um ponto de vista pré-definido.

É um livro que me deixou pensativa por muito tempo. Mais um desses que todo mundo deveria ler pelo menos uma vez, em algum momento da vida…

Muito obrigada, Poli!

Mais um livro para o item 25 da minha lista de 101 coisas. Desta vez a recomendação veio de uma guria que faz parte da minha vida internética há tanto tempo que já nem lembro mais como foi que a conheci: a Poli Lachi, do blog Flowers – Apaixonada pela vida.

E a Poli me mandou uma lista super caprichada – deve ter dado um trabalhão! – várias recomendações de diferentes estilos, tudo bem organizado, indicando títulos originais, os motivos para que ela indicasse cada um deles com uma pequena análise de cada obra e até as imagens das capas! Além deste, que acabou sendo o escolhido porque eu nunca havia lido um escritor nigeriano e a própria Poli já havia me falado dele antes, foram mais 12 indicações (em itálico os que eu já havia lido):

  • O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry
  • O Menino Maluquinho, de Ziraldo
  • Calvin e Haroldo, de Bill Watterson
  • Orgulho e Preconceito, de Jane Austen
  • Lendo Imagens, de Alberto Manguel
  • A História da Arte, de Ernst Hans Gombrich
  • Entre Quatro Paredes, de Jean-Paul Sartre
  • Salomé, de Oscar Wilde
  • Chapeuzinho Amarelo, de Chico Buarque
  • As Brumas de Avalon, de Marion Zimmer Bradley
  • O Amante de Lady Chatterley, de D. H. Lawrence
  • Ciranda de Pedra, de Lygia Fagundes Telles

Obrigada pela colaboração com o meu projeto, Flor!

Mundo se Despedaça, O

Achebe, Chinua

  • Editora: Companhia das Letras
  • Categorias: Literatura Estrangeira, Romance, Usos e Costumes
  • Título Original em inglês: Things Fall Apart
  • Avaliação: ★★★★☆

Lacuna Coil - Daylight Dancer

Anúncios

Deixe um comentário

  • Sinta-se à vontade para dar a sua opinião, seja para concordar ou para discordar, mas, por favor, baseie-se em argumentos e não em baixaria.
  • Comentários ofensivos, escritos em letras maiúsculas ou em miguxês, com excesso de erros, palavrões ou alheios ao conteúdo do post não serão publicados.
  • Todos os comentários são responsabilidade de seus respectivos autores e não refletem, necessariamente, a opinião da autora do blog.