Cotidiano

Fiapos do Cotidiano #3

A amiga se aproxima e antes mesmo de me dizer “oi” vem com as duas mãos para cima de mim e tenta “ajeitar” meu cabelo.

- Seu cabelo tá todo amarrotado hoje. – diz ela.

Penso no trabalhão que tive para arrumar o cabelo naquela manhã. A frustração em frente ao espelho, as tentativas com uns 3 pentes de formatos diferentes, as mãos melecadas de pomada modeladora, o tempo em que fiquei chacoalhando a cabeça feito uma doida no meio do quarto. Tudo para deixar o cabelo com um visual mais “despojado”, diferente do lisérrimo comportado que é o meu natural.

É.

Palavras garimpadas

Palavras Garimpadas #20

Estava triste por ninguém ter ido à minha festa, mas feliz por ganhar um boneco do Batman, e ainda havia um presente de aniversário esperando para ser lido: a coleção completa de As Crônicas de Nárnia, que levei para o meu quarto. Deitei na cama e me perdi nas histórias.

Gostei disso. Livros eram mais confiáveis que pessoas, de qualquer forma.

O Oceano no Fim do Caminho – Neil Gaiman

Desabafos, Devaneios e Divagações

Querido Papai,

Uma carta para Papai

Faz 5 anos hoje. É engraçado como a noção de tempo se perde cada vez mais por entre as névoas da memória. Às vezes parece que foi ontem. Posso simplesmente fechar os olhos e, sem muito esforço, rever detalhes daquela manhã. O som da campainha invadindo meus sonhos, os gritos de Mamãe, a cara apalermada do pedreiro que estava trabalhando na reforma de casa. No entanto, se páro para pensar, vejo que já se passou muito tempo. Tempo demais para não ter você aqui, tempo suficiente para muitas coisas que, eu acredito, você gostaria de visto e vivido.

Pensei em escrever para você incontáveis vezes nesses 5 anos e todas as vezes me esquivei, justificando, para mim mesma, que onde quer que você esteja, está nos observando, nos protegendo. Mas é claro que tenho dúvidas. Será que você também pode ouvi palavras não ditas? Pode ver o que se passa na minha cabeça e no meu coração?

Eu mentiria se dissesse que penso em você todos os dias, o tempo todo, a todo momento. A vida tem que seguir seu curso, eu tenho que seguir com ela e se quero esta saudade guardada de maneira saudável dentro do peito, tenho que contar com a serenidade seletiva que mantém apenas as boas memórias e deixa espaço para o que quer que venha pela frente.

Mas sim, penso muito em você. As lembranças pingam ou jorram, atiçadas por meios inesperados, alimentadas por objetos inusitados ou, simplesmente, pelas ocasiões mais óbvias. Ainda fico triste. Vez ou outra ainda choro. E sempre lamento que você não esteja aqui, compartilhando de corpo presente, o que nossa família tem passado desde aquela segunda-feira. Sei que você teria gostado de levar sua caçulinha para o altar – já vai fazer um ano! -, de acompanhar a Copa do Mundo de Futebol aqui no Brasil, de ver seu filho dirigindo, de se maravilhar e se atrapalhar com as novas tecnologias, de estar junto dessa família linda que você criou e que só faz ficar mais fortemente unida a cada rasteira que levamos pelo caminho…

… mas também sei que, de alguma maneira, você está sim, acompanhando tudo isso.

Sinto sua falta.

Com amor e muita saudade,

Lu

Projetos Pessoais

101 Coisas: [✔] 46. Assistir 10 documentários

Gosto bastante de assistir a documentários. Aqueles de natureza, os históricos, os sociais e as biografias, nesta ordem, são meus preferidos. A facilidade que o Netflix trouxe para minha vida nesse sentido é inegável: tem muitas opções interessantes disponíveis no catálogo.

Por quê, então, definir esta meta na minha lista de 101 coisas? Porque se tem uma coisa que não faço, é sentido. Sou dessas que simplesmente “esquece” de fazer as coisas que gosta. Tenho uma lista abarrotada de documentários que gostaria de assistir, mas sempre deixo para “quando tiver tempo” e acabo não fazendo isso nunca.

Minha intenção ao acrescentar este item à lista era justamente esta: adquirir o hábito de revisar os títulos que tenciono assistir com mais frequência e realmente fazê-lo. Se vai funcionar a longo prazo ainda não sei dizer, mas sim, tenho feito isso regularmente nos últimos tempos. Para efeito das 101 coisas: item riscado!

Ainda tenho vários títulos na lista do Netflix, mas para poder mensurar o item foram estes os registrados (documentários em série foram considerados como um e contados depois de ter assistido a todos os episódios):

Cartaz: Planeta Água Cartaz: Mundos Secretos Cartaz: Planeta Terra Cartaz: Wild China Cartaz: Um Dia na Terra
Cartaz: Fahrenheit 11 de Setembro Cartaz: Rock Brasília - Era de Ouro Cartaz: Vida Cartaz: Auschwitz - Os Nazistas e a Solução Final Cartaz: Blackfish - Fúria Animal
  • 1. Planeta Água (Planet Ocean, 2012)
  • 2. Mundos Secretos (Secret Worlds, 2009) – 6 episódios
  • 3. Planeta Terra (Planet Earth, 2007) – 11 episódios
  • 4. Wild China (Wild China, 2008) – 6 episódios
  • 5. Um Dia na Terra (One Day on Earth, 2012)
  • 6. Fahrenheit 11 de Setembro (Fahrenheit 9/11, 2004)
  • 7. Rock Brasília – Era de Ouro (2011)
  • 8. Vida (Life, 2009) – 10 episódios
  • 9. Auschwitz – Os Nazistas e a Solução Final (Auschwitz – The Nazis and the Final Solution) – 6 episódios
  • 10. Blackfish – Fúria Animal (Blackfish)

P.S.: O item foi finalizado no mês passado, mas só agora consegui parar para escrever alguma coisinha a respeito. =P

Viagens e Passeios

Sobre Brasília e o que encontrei por lá

Catedral Metropolitana de Brasília

Então que estou nessa de tentar recuperar o ritmo do blog aos poucos, sei que perdi o timing de várias postagens, mas decidi que, mesmo com um atraso de mais de um mês, não quero abrir mão de alguns tópicos, por conta disso, sim, o assunto ainda é férias!

Fui para Brasília na primeira semana de setembro, uma viagem de-li-ci-o-sa em todos os aspectos!

Vou ser sincera, não posso dizer que Brasília constava entre os top lugares que eu gostaria de conhecer no Brasil, aparecia na minha bucket list porque faz parte de uma meta maior, a de visitar pelo menos uma cidade em cada uma das unidades federativas do Brasil. A escolha do destino para as férias deste ano, a princípio, foi resultado da convergência de uma série de circunstâncias: o fato de ter uma amiga – que conheci nesse mundo mágico dos blogs e que há tempos eu queria encontrar pessoalmente – morando lá, o preço da passagem que cabia na quantidade de milhas que eu tinha disponíveis e outras, mais pessoais, que prefiro não escancarar publicamente.

E quer saber? Não poderia ter sido melhor!

Turistando

Os pontos de interesse em Brasília não são exatamente do tipo de turismo que costumo fazer, mas a experiência de ver ao vivo aqueles cenários que eu só conhecia do noticiário político ou das referências à arquitetura dos prédios públicos foi bem interessante e ainda havia uma certa “vibração” mais forte no ar por conta do período pré-eleições.

Não cheguei a vaguear pelas cidades satélite, então só posso mesmo falar das impressões que tive dos lugares por onde andei. Como sempre, me diverti com os hábitos e costumes regionais (essa diversidade dentro de um país tão grande sempre me impressiona, mesmo que apenas nos pequenos detalhes), achei tudo muito caro (e olha que moro em cidade onde o custo de vida não é considerado dos mais baixos) e invejei, profundamente, a profusão de opções de entretenimento e cultura que os habitantes locais têm à disposição diariamente. Por iniciativa própria eu dificilmente elegeria Brasília como “meu lugar”, mas creio que me adaptaria até que bem se fosse mandada para lá.

Também não fiquei tempo suficiente para entender muito bem essa dinâmica de quadras e setores que organiza as coisas na capital, a bem da verdade achei tudo muito louco e fiquei divertidamente confusa, mesmo com as tentativas de meus anfitriões de explicar o esquema, mas acredito quando dizem que é apenas questão de se acostumar.

Uma coisa não se pode negar, é uma cidade muito fotogênica, mesmo no período da seca. Algumas das fotos que fiz por lá:

(Coloquei um slideshow para o post não ficar muito comprido, se você estiver no leitor de feeds e não estiver vendo, dá um pulinho no blog. ;) )

Do virtual para o real

Mais um dia de passeios por Brasília, muita andança e bate papo na companhia dessa guria linda! Adorando estar aqui curtindo dias ótimos! #100happydays #day31Minha última noite aqui em #bsb. @josluzaff e @cfrafael, vocês são demais! Meus dias por aqui não poderiam ter sido melhores. Muito, muito obrigada por tuuudo! ♡♡♡ #100happydays #day34

Mas conhecer a Luza pessoalmente foi, com toda certeza, foi o ponto alto desses dias. Aquela velha história: você “conhece” a pessoa pela internet, mantém contato de uma maneira ou de outra por anos, mas não tem como saber se pessoalmente vai rolar a mesma química. É uma loteria. E eu sinto ter saído ganhadora.

Hora de rasgar seda: a Luza é um amor de pessoa. É linda nos mais diversos sentidos que eu possa me lembrar, é atenciosa, é carinhosa, é faladeira, é inteligente, é divertida. Descobri nela uma dessas raras pessoas com quem consigo conversar e interagir com extrema facilidade. Ao mesmo tempo que é muito diferente de mim, também tem muitas coisas em comum comigo.

Mais? Não bastasse eu me sentir muito a vontade com a Luza também curti muito a companhia do marido dela e de uma outra amiga dela, super gente fina, que nos acompanhou em vários passeios. Um grupinho de pessoas especiais com quem passei ótimos momentos.

Então, o que encontrei em Brasília? Bons momentos, boas lembranças, boas fotos, um pouco do alívio que eu tanto precisava para o estresse e mais inquilinos para aquele cantinho dos amigos queridos dentro do peito.